PACIENTE RELATA NÃO ATENDIMENTO EM HOSPITAL; DIREÇÃO DA FUMATRE NEGA O FATO

Na manhã desta segunda-feira, 27 de janeiro, o senhor João Marques dos Santos, morador do Córrego do Gavião, interior de Ecoporanga, foi até o hospital Fumatre da cidade em busca de atendimento, o senhor João estava com uma de suas mãos inchada e sentindo dores.

O paciente relatou que chegou por volta das 10:30h no hospital em busca de atendimento médico, usando o SUS (Sistema Único de Saúde), aguardou por horas e não foi atendido.

Indignado com a situação do senhor João Marques dos Santos indo embora do Hospital sem receber atendimento, a senhora Margarete Oliveira, gravou um vídeo e postou em sua rede social.

A Direção do Hospital Fumatre de Ecoporanga em contato com o site AGITAECO, deixou bem claro que não procede a notícia, e relatou o caso:

– O paciente João Marques dos Santos teve o seu BAU feito e assinado pelo mesmo, o quadro clínico era de “Não Urgente”, em relato também foi explicado que o médico que estava de plantão estava em atendimento de emergência, quando começou os atendimentos foi chamado por cinco vezes o nome do senhor João Marques dos Santos, mas já nao estava mais no Pronto Socorro.

A Direção do Hospital nos enviou a foto do BAU, e nele tem algumas informações, como o horário que foi o atendimento, nele está registrado o horário 13:27:44 segundos, mas o paciente relata em vídeo que chegou por volta das 10:30h. Sobre esse mal entendido a direção do hospital deixou sua versão.

Fonte FUMATRE: BAU do senhor João Marques dos Santos

– A classificação de risco é determinação do MS (Ministério da Saúde), há tolerância de até três horas, isso está estampado no mural do Pronto Socorro, atendimento na hora é urgência e emergência e mesmo assim se o médico não estiver em um procedimento de urgência ou emergência, mas se isso ocorrer o médico de plantão dará um jeito, mesmo que seja orientando o corpo de enfermagem, o horário que sai no no BAU é automático pelo computador.

Vídeo: