CLIMA QUENTE ENTRE VEREADOR GENALDO TOLEDO E PREFEITO ELIAS DAL’ COL; VEREADOR COBRA A DEVOLUÇÃO DE SUPOSTOS GASTOS COM MAQUINÁRIOS E FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS TRABALHANDO EM PROPRIEDADES DO PREFEITO

O clima está quente entre alguns políticos em Ecoporanga, foi publicado em um site de notícias da região uma matéria onde o vereador Genaldo Toledo, exercendo o seu papel de fiscal da população ecoporanguense, cobra do prefeito Elias Dal’Col a devolução de gastos que supostamente o prefeito Elias Dal’Col teria usado maquinários da prefeitura e funcionários públicos para trabalhar em suas propriedades rurais. O prefeito usando redes sociais e até mesmo a rádio local já esclareceu o fato, relatando que colocou maquinários da prefeitura para retirar o material para aplicar nas estradas rurais do município, e todo material foi doação de seu filho para o município.

“É um material arenoso e de fácil compactação, e que tem beneficiado diversas comunidades, no cascalhamento das estradas de Ecoporanga”. Relatou o site da prefeitura

Para o parlamentar Genaldo Toledo todos os esclarecimentos que o prefeito Elias Dal’Col relatou até o momento é mentira, o mesmo inconformado, quer que o prefeito devolva aos cofres públicos todos os investimentos feitos com as máquinas e funcionários da prefeitura municipal.

Veja a matéria do site Na Rota do Povo publicado no dia 14/01/2020

ECOPORANGA: VEREADOR GENALDO TOLEDO ESPERA A DEVOLUÇÃO DO GASTO COM MÁQUINAS, TRATORES, CAMINHÕES E FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS TRABALHANDO NO SÍTIO E NA FAZENDA DA FAMÍLIA DO PREFEITO DAL’COL.

Inconformado com a resposta do Prefeito Elias Dal’col, o Vereador Genaldo Toledo, o mesmo espera que o Prefeito Elias Dal’col e o seu filho, Elias Dal’col Junior, devolvam aos cofres do município, todos os investimentos feitos com as máquinas e funcionários da prefeitura em suas propriedades.

Segundo o Vereador, o prefeito Elias Dal’col teria apresentado um documento do IDARF dispensando o filho do prefeito para construção de barragem na nascente da fazenda Jaqueline, segundo o Vereador, teria se complicado mais ainda ao apresentar documentos assinados pelo filho do prefeito dos quais não representam licenciamentos para extração, transporte e armazenamento mineral, que pode configurar crime ambiental com a ajuda da Prefeitura.

Segundo o Vereador, o prefeito apresentou vários recibos de abastecimento dos veículos que estavam trabalhando na fazenda do filho do prefeito, segundo ainda o vereador, o prefeito Elias Dal’Col teria faltado com a verdade nas redes sociais dizendo que tinha licenciamento ambiental para a retirada do material, em sua fala, o prefeito confessou ter retirado mais de MIL CAÇAMBAS de terra da nascente que fica na fazenda! “A quantidade de abastecimento apresentado pelo prefeito, não bate com o número de máquinas e caminhões que foram filmados na fazenda”. “OS CUPONS FISCAIS DE ABASTECIMENTO FORAM FEITOS EM NOME DA PREFEITURA”.

Segundo ainda o Vereador, o filho do prefeito, apresentou um documento dizendo que estava doando o material para a prefeitura espalhar nas estradas do município, fato totalmente questionável, diz o Vereador.

Parte do Material era retirado da nascente e espalhado na fazenda do filho do prefeito, outra parte era transportado até o parque de exposição, depois era levado para ser distribuído em varias estradas do município, o Vereador não ficou satisfeito e nem conformado com as alegações do Prefeito e do filho, “Existem outras jazidas de cascalhos e barro no município que atendem muito bem estas demandas, por um custo muito mais barato!”

Diante das fotos, filmagens que o vereador assistiu, mais a resposta do prefeito Elias Dal’col, o mesmo está convencido que vários crimes contra o patrimônio público foram cometidos e na condição de Vereador do povo, o Vereador irá exigir junto ao Ministério Público providências, entre elas a devolução total aos cofres público dos gastos na fazenda e no sítio da família do prefeito. O Vereador Cita como exemplo o ex-prefeito de Vitória, Luiz Paulo (PSDB), condenado em ação de improbidade administrativa por utilizar de 1998 a 2004 os serviços de um caseiro que, na verdade era funcionário terceirizado da Prefeitura de Vitória, a condenação foi confirmada pela 2ª. Câmara Civil do Tribunal de Justiça do ES. O ex-prefeito teve seus direitos políticos suspensos por oito anos e teve que pagar uma multa no valor de R$ 50.000,00 isso pelo simples fato de utilizar um servidor terceirizado em seu sítio. “Imaginem quanto terá que devolver o Prefeito e o filho por utilizarem todos estes equipamentos e funcionários nas suas propriedades! Isso sem falar nas penas.”

“Como Vereador, não posso ficar calado diante de uma situação como esta! Existem muitos pequenos agricultores que não têm o privilegio que o filho do prefeito teve, não podemos fechar os olhos para esse tipo de coisa, vou fiscalizar o Executivo até o ultimo dia do meu mandato como Vereador!” Finalizou.