ESCOLA FAMÍLIA RURAL DE ECOPORANGA PODE FECHAR POR FALTA DE PAGAMENTO; ENTENDA

A situação não é das melhores para os professores e demais funcionários da Escola Municipal Família Agrícola de Ecoporanga, os mesmos estão ao ponto de parar seus trabalhos, ao todo são 12 funcionários, com 8 professores, 3 cozinheiras e 1 zelador. Após uma reunião de pais realizada na última segunda-feira, dia 27, na própria escola, foi decidido que a escola não tem condições de continuar os trabalhos sem o repasse da verba que o município realiza todo mês para a escola. A escola está com 104 alunos, 6°, 7°, 8° e 9° ano.

O valor que a prefeitura tem que repassar para a escola (verba do governo federal) é de R$ 300.000,00 (Trezentos mil reais) por ano, e já passou 6 meses que os professores e demais funcionários estão sem pagamento, causando um grande transtorno na vida de cada um, já que todos tem suas contas para pagar.

O grande problema é que, para que esse repasse seja realizado corretamente, existe um novo termo de fomento, Lei nº 13.019/2014,       a partir de agora uma comissão tem que avaliar todos os documentos da escola, se todos os detalhes do termo for respeitado, a comissão aprova o termo e a verba é liberada.

Há 8 meses a escola luta para que seja aprovado, mas sempre a comissão acha um equívoco, e não aprovam. Uma reunião que será realizada na Câmara Municipal na próxima segunda-feira(03), com a presença do presidente da Câmara Municipal, Robério Pinheiro, o jurídico da câmara e a comissão, que poderá decidir a situação da escola, professores, alunos e pais.

A situação deixa muitos pais tristes, pois a metodologia da escola foi a que chamou atenção para matricularem seus filhos. A prefeitura informou que a verba está no caixa, mas para que seja liberado tem que ser aprovado pela comissão. Muitos pais entendem a situação que a escola está vivendo como politicagem.

“Não é possível que não resolvam essa situação, 8 meses lutando com papéis, vão e voltam, para mim isso já virou política, o dinheiro está na conta, tenho certeza que nessa comissão tem pessoas super capacitadas, que consiga resolver isso, mas algo tem de errado nisso”. disse uma mãe de aluno.

Outra fala que chamou a atenção foi onde um professor relatou sobre o que a ex-secretária de educação disse.

“A ex-secretária de educação, senhorita Valdete Leonídio, falou no dia da comissão do conselho que a escola tem que ser entregue para a prefeitura, ela ainda usou um termo, que, quando o filho começa a chorar, não é o pai que cuida? Então está na hora de vocês passarem para a prefeitura”. afirmou o educador.

COMPARTILHAR